Hugo

PROCESSO

O processo de produção das peças de Hugo França confunde-se com o conceito do seu trabalho: a preocupação com o desperdício da madeira, sobretudo das espécies descartadas pela movelaria tradicional, e a crença de que há possibilidade de reaproveitamento total deste material tão nobre.

A utilização de resíduos florestais para a produção de peças demanda buscas constantes nas matas e campos da região de Trancoso (BA). Nesses percursos, Hugo França conta com a ajuda de sua equipe e da população local, além do conhecimento da região que ele próprio adquiriu ao longo dos 15 anos em que morou no litoral sul baiano.

Desde que não tenham sofrido danos irreversíveis, praticamente todas as partes da árvore encontradas podem ser utilizadas. Raízes desenterradas, troncos ocos, toras maciças - tudo pode ser transformado em obras únicas pelo olhar e desenho de Hugo França.

A dificuldade de movimentação e transporte dos blocos monumentais de madeira determinam que os primeiros cortes sejam realizados no local onde os resíduos são encontrados. Ali começam a surgir os primeiros sinais de mesas, bancos, cadeiras, aparadores... Nas etapas seguintes, a peça tem seu desenho final definido e recebe acabamento.

Durante todo o processo, as formas e texturas naturais são valorizadas de modo que as esculturas mobiliárias remetam sempre à sua origem: a árvore, principal inspiração de Hugo França.